segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

"UE não pode exigir reconhecimento do Kosovo"

A União Europeia não tem o direito de pedir à Sérvia o reconhecimento do Kosovo por não possuir uma política comum sobre essa questão, mas o diálogo com Pristina deve prosseguir, disse em entrevista à Lusa o embaixador sérvio.

"Dos 27 Estados-membros da União Europeia (UE), cinco [Espanha, Roménia, Eslováquia, Grécia e Chipre] não reconheceram o Kosovo. Assim, não existe uma política comum da UE em relação ao reconhecimento do Kosovo e na União ninguém pode, ou mesmo tem o direito, de nos pedir o reconhecimento do Kosovo", sublinhou o embaixador da Sérvia em Lisboa, Mirko Stefanovic.
O embaixador reagia às crescentes alegações de que Sérvia terá grandes dificuldades em aderir à UE sem o reconhecimento prévio da independência da sua antiga província com larga maioria de população albanesa, proclamada unilateralmente em 2008.
A cimeira europeia de 9 de Dezembro decidiu adiar para Março a eventual concessão do estatuto de candidato ao país, de novo dependente da "melhoria substancial" das relações com Pristina.
"Enquanto existirem Estados-membros da UE que não reconhecem a independência do Kosovo, como é possível pedir o mesmo a mais alguém? A Europa funciona por consenso e não existe consenso sobre o reconhecimento...", insiste.
O diálogo directo entre as duas partes foi retomado em Março e prossegue sob mediação da Comissão Europeia, mas diversos incidentes no norte do Kosovo em torno do controlo dos postos fronteiriços com a Sérvia, que envolveram soldados da força da NATO no terreno (Kfor), levaram a Alemanha e Áustria a manifestar reticências sobre a concessão a Belgrado do estatuto de candidato. O anúncio de um acordo sobre a disputa fronteiriça não foi suficiente para alterar as posições de Berlim ou Viena.
"A Sérvia não vai reconhecer a independência do Kosovo, porque o nosso governo responde à vontade da população. Quase 100 por cento da população não está interessada nessa decisão, queremos obter uma solução através do diálogo, essa é a nossa abordagem, que vai prosseguir", argumenta Stefanovic.
Perante este impasse, a estratégia de Belgrado consiste em prosseguir o diálogo directo com a liderança albanesa kosovar, um processo sobretudo destinado a "beneficiar" as populações locais, e resolver os problemas da região "pela via pacífica".
O representante diplomático sérvio reconhece que o Kosovo é um assunto complexo, incluindo na perspectiva jurídica, e que pode criar "muitos problemas". E recorda o último relatório da Comissão Europeia, onde se considera que a Sérvia "já preenche basicamente todas as condições" para obter o desejado estatuto.
Mas permanece o "problema adicional" do Kosovo, para além dos reflexos na região da crise da zona euro. Um relatório do Banco Mundial de meados de Novembro aponta a redução das trocas comerciais e investimentos directos estrangeiros, a possível retracção do crédito bancário e a diminuição da transferência de fundos da diáspora como os principais perigos para os Balcãs.
Desta forma, a estratégia de Belgrado mantém um duplo objectivo: prosseguir o diálogo com os albaneses kosovares "com base na resolução 1244 do Conselho de Segurança da ONU reconhece o território do Kosovo como parte da Sérvia", e fomentar a adesão de toda a região à União.
"Somos realistas, mas acreditamos que todos os países dos Balcãs ocidentais devem aderir à UE, e não apenas a Sérvia. Nesse sentido, saudamos a Croácia pelo seu sucesso [Bruxelas aprovou a adesão plena desta ex-república da Jugoslávia, vizinha da Sérvia, para Julho de 2013]. Queremos prosseguir a cooperação com a Croácia que possui a experiência que não possuímos e esperamos continuar a obter a sua ajuda no processo de aproximação à União", frisa o diplomata.
"Mas a nossa política é que todos os países dos Balcãs ocidentais devem aderir à EU", conclui Stefanovic.

Fonte: "DN".

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

FADO... EM BELGRADO!

É bem verdade, isto é um exemplo da Europa do entendimento dos povos, para além das "manobras financeiras" dos federalistas: um grupo de Belgrado adoptou a música portuguesa, e até a guitarra portuguesa, e, ainda que com um indisfarçável toque musical da Europa oriental, o certo é que, com excelente pronúncia, até fazem um brilharete! Vale a pena ouvir!




segunda-feira, 4 de julho de 2011

DE PARTIDA



Quase de partida encontra-se o Embaixador Dusko Lopandic e família após uma notável estada entre nós de quatro anos.

O nosso Presidente foi honrado com o convite para uma recepção em que a família se despediu de alguns amigos.

Ao Embaixador e família, no seu regresso a Belgrado, se desejam os maiores sucessos pessoais e profissionais.

quinta-feira, 7 de abril de 2011

quarta-feira, 6 de abril de 2011

terça-feira, 22 de março de 2011

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Um Contributo

O último número da Lusíada. História (7 de 2010) inclui o artigo, "Subsídio para a história das relações bilaterais entre Portugal e a Sérvia" (pp. 443 - 473) da autoria do Presidente da nossa Associação.
Nele se analisam, com a certeza de que muito mais há a fazer, as relações consulares e diplomáticas e ainda a troca de condecorações. Uma abordagem que lança pistas que devem ser continuadas, nomedamente, nos arquivos sérvios onde se encontrarão informações complementares àquelas que se podem encontrar quer nos arquivos quer nas publicações oficais portuguesas.